Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Investigadores portugueses lançam crowdfunding para aquisição de drone que estuda alterações climáticas

Mäyjo, 31.01.14

Investigadores portugueses lançam crowdfunding para aquisição de drone que estuda alterações climáticas

 

Os investigadores do Projecto 3D.ANTARCTIDA lançaram uma campanha de crowdfundingpara a aquisição de um veículo aéreo não-tripulado (UAV), mais conhecido por drone, para apoiar a monitorização de terrenos com permafrost na Antárctida.

Esta equipa de investigadores estuda as alterações climáticas na Península Antárctida ao nível do solo permanente gelado, o permafrost. “Neste tema, as mudanças são mais difíceis de seguir, pois o solo gelado está enterrado”, refere a equipa na página da angariação.

“Nas áreas em que estamos a trabalhar, na região da Península Antárctica, as mudanças têm sido muito rápidas e a utilização deste tipo de meios para cartografar em detalhe a vegetação, as unidades geomorfológicas, a neve e o escoamento, proporciona avanços notáveis. A nossa equipa tem, por isso, enorme urgência em aceder a uma plataforma de estudo – um UAV – que nos permita obter este tipo de dados cartográficos”, explicam os investigadores.

Desde que a campanha foi lançada, a 23 de Dezembro de 2013, o projecto já angariou €12 mil, sendo que o objectivo é angariar €20 mil até ao final de Janeiro.

Está previsto que o projecto seja implementado em duas campanhas na Antárctida. A primeira deverá decorrer entre Fevereiro e Março deste ano, onde os investigadores deverão realizar testes preliminares no terreno da Península Barton, na ilha King George. A segunda decorre entre Janeiro e Fevereiro de 2015, com o levantamento em pormenor das ilhas de Livingston Deception e King George.

O Projecto 3D.ANTARCTIDA é promovido pelo Grupo Polar da Universidade de Lisboa e reúne três equipas de investigação do Instituto Superior Técnico (IST) e do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT). Os investigadores acrescentam que a aquisição do drone teria ainda “aplicações directas no ensino avançado do IGOT e do IST”, além de “resultar num passo enorme para a equipa” e contribuir “fortemente para aumentar o impacto internacional” conhecimento científico produzido em Portugal.

 

Foto:   .v1ctor Casale / Creative Commons

 

in: Green Savers

Levitar no maior deserto de sal do mundo

Mäyjo, 30.01.14

Levitar no maior deserto de sal do mundo (com FOTOS)

 

O Salar de Uyuni, no altiplano andino, sudoeste da Bolívia, é o maior deserto de sal do mundo, uma paisagem deslumbrante e com características invulgares, que levam os fotografados a “levitar” na atmosfera.

Foi esta curiosidade fantasmagórica que levou o fotógrafo Michael Kittell a desenvolver uma série de imagens no deserto, um dos lugares mais belos e perfeitos do mundo.

Com 10.500 quilómetros quadrados de área, Uyuni é maior que o lago Titicacca, situado na fronteira entre a Bolívia e o Peru, e terá cerca de dez mil milhões de toneladas de sal. Ainda que este seja um importante destino turístico boliviano, a extracção de sal é constante. Todos os anos, cerca de 25 mil toneladas são retiradas do salar.

“Apesar de parecer uma praia, Uyuni não passa de sal coberto por alguns centímetros de água. Estando lá, não conseguimos ver o fim do deserto de sar”, explicou o norte-americano Kittell, de 29 anos.

Quando o vento está calmo e o salar cheio de água, a paisagem é “inacreditável”. Na verdade, quem é fotografado aqui parece que está a levitar, tal a calma do local, que devido à sua altitude e difíceis acessos, permanece inalterado há milhares de anos.

 

 

 

 

Tribo indiana impede projecto de prospecção mineira de empresa britânica

Mäyjo, 30.01.14

Tribo indiana impede projecto de prospecção mineira de empresa britânica

 

O Governo indiano impediu recentemente os planos de uma empresa britânica para explorar um minério de bauxite na região de Orissa. A decisão foi tomada depois de o Supremo Tribunal da Índia ter exigido que os Dongria Kondh, uma tribo local, fossem consultados, naquele que foi o primeiro referendo ambiental do país.

As 12 aldeias desta tribo rejeitaram em unanimidade os planos da Vedanta Resources para iniciar um minério nas montanhas de Niyamgiri, um local que é considerado sagrado para esta tribo. A decisão final cabia ao Ministério do Ambiente e Florestas da Índia, que este sábado comunicou que ira rejeitar os planos da empresa britânica para explorar bauxite naquela região.

A Vedanta Resources pretendia ainda, a par do minério, construir uma refinaria na base das montanhas de Niyamgiri, um projecto que estava orçamentado em €585,4 milhões (R$ 1.881,8 mil milhões), refere em comunicado a Survival International, uma organização não-governamental que se dedica ao apoio aos povos indígenas.

“A derrota terá repercussões globais para as empresas que têm a intenção de explorar as terras dos povos indígenas e deve servir de lição que o consentimento prévio das comunidades tribais deve ser procurado”, lê-se no comunicado.

Esta ONG conduziu uma vasta campanha de apoio aos Dongria Kondh contra a Vedanta Resources e fez com que celebridades, como os actores Michael Palin e Joanna Lumley, se juntassem à causa. “Esta é uma verdadeira tribo Avatar”, indicou a Survival International ao comprar a luta desta tribo indiana a um blockbuster de Hollywood.

 

in: Green Savers

Aljezur, um dos concelhos mais sustentáveis de Portugal

Mäyjo, 29.01.14

Aljezur, um dos concelhos mais sustentáveis de Portugal (com VÍDEO)

 

Conhecido pelas suas praias paradisíacas e por ser local de férias de personagens mediáticas, como o primeiro-ministro inglês, Aljezur é mais do que mar e sol. É também sustentabilidade, como demonstra a recente vitória no prémio EcoXXI, que reconhece as boas práticas ambientais.

Segundo esta distinção, atribuída pela associação Bandeira Azul Europa, o concelho passou no teste em mais de 50% dos 21 indicadores, incluindo qualidade do ar, água, tratamento de resíduos, aposta na energia e conservação da natureza.

“Os principais indicadores em que nos destacámos foram a educação ambiental, energia, eficiência energética, iluminação pública e o incentivo a fontes de energia mais sustentáveis”, explicou Filipa Fonseca, técnica de ambiente da Câmara de Aljezur.

Na verdade, 75% da área do concelho está inserida no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, uma zona protegida que muito contribuiu para a atribuição do prémio.

Com pouco mais de 5.800 habitantes, distribuídos por quatro freguesias, o grande desafio do concelho é manter as boas práticas ambientais na época alta, em que o turismo dita as leis.

“O prémio dá-nos um indicador muito importante: Aljezur acredita no futuro, e os aljezurenses sabem que o nosso futuro só pode ser melhor”, conclui José Amarelinho, presidente da Câmara de Aljezur.

O responsável admitiu o objectivo de Aljezur, no que toca ao desenvolvimento sustentável, é ter baixas densidades e muita qualidade. “É isso que queremos para o nosso município”, concluiu Amarelinho, no episódio 144 do Economia Verde.

 

Foto: RStacker, sob licença Creative Commons


 

in: Green Savers

Placa solar com o formato de uma telha de barro

Mäyjo, 29.01.14

 

Empresa americana desenvolve placa solar com o formato de uma telha de barro

Converter a luz do sol em eletricidade não significa necessariamente fazer uma cobertura no telhado com painéis solares sem graça. A empresa SRS Energy, da Filadélfia, desenvolveu uma placa, a Solé, que faz esse trabalho sem comprometer a estética: tem o formato de uma telha de barro, na cor azul escuro. 

O produto foi especificamente produzido para ser compatível com as telhas de cerâmica fabricadas pela empresa parceira E.U.Tile - assim, será dada aos seus clientes a opção de cobrir uma seção de seu telhado com a nova versão, mais fashion, das placas fotovoltaicas.
http://glo.bo/1cBhiXd


[AS TELHAS NÃO ESTÃO MAIS DISPONÍVEIS COMERCIALMENTE]
Segue a nota da empresa: http://www.bresslergroup.com/work/project/#/143/srs-energy-solar-roofing-system